A verdade sobre Unhas de Gel, luz UV e o Cancro da Pele – parte 2

Por vezes dou por mim a pensar: “ainda sou do tempo…”

Vivemos numa sociedade de consumo. Tudo é para ontem, e só pensamos no amanhã. O Hoje fica esquecido… Queremos facilitadores de vida, rápidos, eficazes, indolores! Mas… e se parássemos um pouco?… Sou a primeira a admitir que nunca tenho tempo, “mal de profissão”, dizemos! Este é usado para cuidar de tudo menos de nós, e essa é infelizmente a realidade de maior parte das Portuguesas hoje em dia.

Perguntam vocês ao ler isto “o que raio tem isto a ver com o título deste artigo?”… Tudo!

Tecnologia, cosmética, evolução, saúde, tempo… Tudo está relacionado.

Artigos têm sido escritos relacionando o aparecimento do cancro da pele (melanoma), à exposição das mãos nos aparelhos usados para fotopolimerizar* o gel.

Com seis letrinhas apenas, se escreve tão temida palavra! Assustadora, infelizmente tornou-se demasiado vulgar pela quantidade e diversidade de casos que existem hoje em dia. Todos nós conhecemos alguém que o tem ou já o teve… Sabemos o quão horrível pode ser.

Sabemos que há uma relação entre o excesso de exposição solar, radicais livres e cancro. Quanto a isso não há volta a dar! Mas também temos de falar em genética, hereditariedade, factores externos como o stress, ou outros de origem psicossomática.

Na primeira parte deste artigo tentei explicar do modo mais simples e sucinto que me foi possível, a relação entre o gel e luz UV. Espero ter conseguido.

Sabiam que…

Os químicos que compõem o gel, são parentes próximos dos usados nas próteses dentárias? Mas não se assustem! Hoje em dia, os géis para as unhas são desenvolvidos especificamente para a aplicação nas unhas naturais. Mas esta história fica para um próximo artigo.

Já repararam que o vosso médico dentista fotopolimeriza com luz a resina  composta (“massa”) que vos coloca nos dentes?… Pois então perguntem-lhe qual a luz que usam! Creio que vão gostar da resposta!

A resposta a esta pergunta: Provoca ou não?…

Pesquisei, pesquisei, e encontrei vários estudos independentes que dizem não. Outros aparecerão a dizer o contrário.

As lâmpadas usadas, emitem uma frequência de luz específica para polimerizar o gel e apenas o gel. Não são concebidas para interagir com as moléculas existentes no nosso corpo, nem com os melanócitos* na nossa pele.

Em quem acreditar?…

A verdade é que apenas agora se começa a falar deste assunto, e é uma excelente maneira de vender notícias! Não há sequer casos suficientes a nível mundial que o corroborem.

Estamos em pleno século XXI, a caça às bruxas acabou! Tudo está à distância de um “clique”. Não se deixem levar por notícias sensacionalistas.

Com tudo isto, apenas quero dizer que procurem informação devidamente documentada, pesquisem, leiam e informem-se!

Não têm de deixar de fazer as vossas belas unhas de gel – Manterem-se em segurança é extremamente simples!

Podemos prevenir?…

Sem dúvida! Assim como quando vamos à praia aqueles que entre nós têm mais juízo aplicam protector solar, ou usam um chapéu, aqui a mesma regra se aplica!

Se não se sentem 100% seguras, usem um protector solar nas mãos antes da exposição à luz, ou usem luvas sem dedos (há umas fantásticas super vintage em pele, mas podem sempre optar por algodão), podem ainda optar pelo acrílico ao invés do gel! Existem opções ao gel.

Mantenham-se em segurança, procurem profissionais devidamente certificados, que usem material de marcas credenciadas e registadas.

Se tiverem dúvidas quanto à origem e qualidade dos produtos aplicados nas vossas unhas, podem sempre consultar o portal do INFARMED.

SIM!!! A qualidade do material conta!

SIM!!!!  É essencial procurar bons profissionais, devidamente certificados e  que amem o que fazem, que investem em formação, e que sabem realmente o que estão a fazer. Pensem que por muita oferta que haja, não há “galinha gorda por pouco dinheiro”.

O outro lado da moeda

Até agora só falámos na praticidade das unhas de gel, mas há um outro lado, o de todos aqueles que sofrem com deformações nas unhas.

Seja uma má formação congénita, o resultado de um acidente ou doença, ou um paciente com cancro que tenha de fazer quimioterapia (um dos efeitos colaterais é a coloração/amarelecimento das unhas), algo tão simples como a aplicação do gel (ou do acrílico) permite-nos camuflar, dar-lhes beleza, e acima de tudo, alegria a quem as usa.

Chamemos-lhe o “outro lado da moeda”.

Quanto à durabilidade das umas unhas de gel versus uma manicura, nem é preciso dizer qual a que ganha…

Tecnologia, cosmética, evolução, saúde, tempo. Como vêm, tudo está relacionado.

*fotopolimerização  é uma  reacção química, em que a molécula inicial,  se agrupa sucessivamente com outras, formando cadeias de polímeros em redes tridimensionais.
Existem  diferentes sistemas, e muitas formas de polimerização. Neste caso, falamos em fotopolimerização, pois o iniciador na polimerização do gel, é a luz UV.

 

8 Comments

  • MCaetano Março 23, 2017 at 9:25 pm

    Existem “fornos” com luz LED vez de Luz UV, tb éuma alternativa. A minha manicure tem um desses.

    Reply
    • SLuz Março 23, 2017 at 10:20 pm

      Cara Marina, por favor leia o artigo cujo link segue em anexo: http://blog.dezstudio.com/a-verdade-sobre-unhas-de-gel-luz-uv-e-o-cancro-da-pele/
      As luzes LED para curar o gel ou o verniz de gel, são luzes no espectro de luz UVA.
      Mas por favor leia! Está tudo explicado.
      Alguma dúvida, não hesite.
      Atentamente
      SLuz

      Reply
    • SLuz Outubro 25, 2017 at 5:54 pm

      Cara Marina, seja LED ou CCFL, são todos luz UV. Só difere ligeiramente o espectro de luz UV que emitem.

      Reply
  • Filipa santos Março 23, 2017 at 8:46 am

    Bom dia
    Pelo que me dizem o gel não estraga as unhas. As minhas, mal tirei o gel ficaram tipo papel, horrível mesmo, nunca mais fiz e os produtos eram de muito boa qualidade

    Reply
    • SLuz Março 24, 2017 at 12:47 am

      Boa noite Filipa.
      O desgraçado do gel não tem culpa nenhuma!
      Eu sempre digo que a única coisa que estraga as unhas é um mau profissional, uma cliente que ache que o gel é tão resistente quanto titânio, ou que tenham a delicadeza de um camionista (eu sou dessas! Admiro-me às vezes com as cacetadas que lhes dou, não as partir)!
      Passo a explicar.
      Sempre que pensamos em unhas de gel, pensamos em limar as unhas, no uso das brocas, e em como tudo isto vai ser prejudicial e assustador!
      Para que possa entender a dinâmica da aplicação do gel, vou rapidamente explicar como isto funciona. A unha natural é porosa, através da qual libertamos água e lípidos. A finalidade de remover o brilho da unha natural é exactamente para remover os lípidos que se encontram na camada superficial da unha natural, assim como qualquer outro tipo de resíduo exterior. NOTA: Remover o brilho não é limar a unha até à exaustão! É literalmente remover o brilho com uma lima suave que pode ser também um esmeril fino de uma broca num micro-motor. Tudo depende do grão utilizado.
      Necessitamos da unha com uma certa porosidade e desidratada (sem água nem gordura), de modo a promover a aderência do gel à unha. Se este trabalho for bem executado, não há porque danificar a unha! Aliás, quanto mais saudável e intacta a unha natural se encontrar melhor! Quanto mais fina a unha, mais perto nos encontramos da derme, e pior a capacidade de aderência do material.

      Outra dos exemplos de um mau profissional é o modo como faz a manutenção: remove o brilho da unha natural relativo ao crescimento e enche com gel essa zona?…
      Ou se por alguma razão que até hoje não entendo, remove tudo e volta a aplicar mesmo não havendo levantamentos…

      Porquê um mau cliente? Porque as unhas com gel realmente são mais resistentes, mas de acordo com as pancadas que levem, podem partir. Se isto acontece, o profissional vê-se obrigado a remover o gel danificado, voltar a preparar a unha numa zona previamente limada e que o mais certo é ter sido reduzida a metade da sua espessura aquando da pancada, pois parte da unha tende a vir agarrada ao gel.
      Para as clientes que querem resistência e capacidade de remoção do material sem danos, aconselho o acrílico, pois pode ser removido totalmente com solvente específico para esse fim, sem agredir as unhas.

      Respondendo à segunda parte da sua questão pois sei que a resposta já vai longa, nunca se deve remover o gel na sua totalidade. O gel tradicional não pode ser dissolvido, pelo que a sua remoção só se pode fazer através do uso de limas. Nós aconselhamos as nossas clientes a fazer um “desmame” com o verniz de gel durante alguns meses, sem remover o gel na sua totalidade. Isto permite a unha crescer e o gel sair naturalmente com o crescimento, sem agressão. Normalmente a unha natural para crescer novamente sã na sua totalidade, leva aproximadamente 6 meses.
      Quanto à qualidade da marca não posso falar pois não estava presente para poder opinar sobre tal assunto.
      Espero ter conseguido responder-lhe.
      Aqui estarei para responder a qualquer questão sua
      Atentamente
      SLuz

      Reply
    • SLuz Outubro 25, 2017 at 6:00 pm

      Boa noite Filipa, independentemente do material usado, temos de contar com outro dois factores: como foi feita a preparação das unhas antes da aplicação, como foram feitas as manutenções, e a remoção. Quando queremos remover o gel, é completamente desaconselhado a remoção total, pois o mais certo é acabar por limar a unha natural, o que a enfraquece. O ideal é fazer um”desmame” com verniz de gel, ou seja, reduzimos a espessura do gel nas unhas, e aplicamos o verniz de gel por pelo menos três meses, de forma a assegurar que o gel já se encontra mais perto do bordo livre e assim assegurar a saúde das unhas naturais. NOTA: o crescimento da unha da cutícula ao bordo livre pode levar até 6 meses, depende de pessoa para pessoa. Espero ter ajudado.

      Reply
  • Rosa Oliveira Março 9, 2017 at 10:58 pm

    Posso partilhar os vossos artigos no meu mural ?

    Reply
    • SLuz Março 9, 2017 at 11:14 pm

      Boa noite Rosa! Claro que sim!
      Este blog serve exactamente para isso!
      Obrigada por querer partilhar!

      Reply

Leave a Comment