Ó flacidez, ó ruga, estará perliquitante este meu rostinho que tanto trabalho deu a cuidar?

Por muito que o meu coração me diga para escrever sobre unhas, pois é realmente uma das minhas grandes paixões, muito há a dizer sobre outros artistas nesta novela que é o mundo da estética e bem-estar, que eu aprendi a amar.

Entre vilões e “mocinhos”, são muitos os personagens, sempre em constante evolução. Da aparatolgia, aos cremes, às manobras de massagem, espero guiá-las ao longo destes muitos episódios.

O herói desta estória é a radiofrequência, o vilão, as rugas e a flacidez.

Era uma vez…

Uma frequência do espectro electromagnético, não mecânica, geralmente utilizada em radio-comunicações entre os 3 kilohertz e os 300 gigahertz (a frequência das ondas mede-se em hertz).

Por ser uma radiação não mecânica como a luz, mas com menos energia, é uma radiação ionizante de seu nome radiofrequência, e encontra-se no mesmo espectro utilizado pelas transmissões de rádio e dos dados digitais sem fios, que abarcam desde radiações com comprimento de onda mais pequenas (raios gama), a radiações com comprimentos de onda mais amplos (ondas de rádio).

À forma como as ondas electromagnéticas se distribuem, denominamos espectro, que por sua vez é medido pelas radiações que emite.

Eis senão quando, começamos a usar a rádio frequência na estética… Como?…

Ao propagar-se no espaço, a radiação acarreta energia eletromagnética fornecida pela radiofrequência, que por sua vez se transforma em aquecimento indutivo, tanto pela conversão como pela absorção dessa energia pelos tecidos (Diatermia), transformando-a em energia térmica.

Ou seja, a radiofrequência aquece todos os tecidos que contêm moléculas de água.

Para que este tratamento seja efectivo o nosso objetivo é alcançar a temperatura de 40ºC na superfície da pele, e provocamos dois tipos de efeito:

Imediato – activa o metabolismo celular e circulatório da região tratada, além da contração das fibras de colagénio  existentes.

Tardio – estimula os fibroblastos responsáveis pela síntese de novo colagéneo e elastina, conferindo refirmação na zona tratada.

 

 

Resumindo e baralhando, com este tratamento conseguimos actuar na qualidade da pele, estimulamos a produção de novo colagénio, promovemos a contração do tecido conjutivo, aumentamos as fibras de elastina, regeneramos os tecidos moles; provocamos vasodilatação, microcirculação, hidratação dos tecidos e oxigenação celular, assim como aporte de nutrientes às células e eliminação de toxinas.

Rápido, indolor, e não invasivo, é um excelente aliado para cuidarmos de si.

Mas não nos ficamos por aqui! Siga-nos e descubra o quanto a radiofrequência pode ser uma benesse no seu bem-estar!

Não perca a cena dos próximos episódios!

1 Comment

  • Rosa Oliveira Março 9, 2017 at 11:51 pm

    Adoro os vossos artigos !

    Reply

Leave a Comment